Estudo indica impactos permanentes da pandemia em profissões ocupadas, em maioria, por minorias, aumentando o abismo de desigualdade

Um estudo recente do McKinsey Global Institute descobriu que até 25% mais trabalhadores do que o estimado anteriormente podem precisar mudar de ocupação após a pandemia.

“A pandemia teve um impacto particularmente severo em empregos que exigem altos níveis de proximidade física e contato pessoal, incluindo garçons e balconistas, por exemplo. Mais uma vez, as mulheres e as minorias estão sobrerrepresentados entre esses trabalhadores da linha de frente.”

A sobrevivência de muitas empresas agora depende de sua capacidade de mudar para o trabalho remoto, uma prática que sofria resistência. Com evidências emergentes indicando que os funcionários que trabalham remotamente às vezes estão se tornando mais produtivos, muitas empresas estão planejando permitir vários tipos de trabalho remoto híbrido após a pandemia.

Automações impulsionadas pela pandemia provavelmente deslocarão trabalhadores em uma escala muito maior do que os economistas esperavam anteriormente.

O maior impacto será em serviços de alimentação, varejo, hotelaria, atendimento ao cliente e suporte de escritório, a maioria dos quais são empregos de baixa remuneração, ocupados, em sua maioria, por minorias, aumentando o abismo da desigualdade.

Fonte: McKinsey & Company

Você precisa fazer o login para publicar um comentário.

Mais lidas

Artigos Relacionados

Menu